Metodistas Unidos e o estado angolano lutam pela mesma causa

Translate Page

Em meio ao caos, mortes, fome e a busca de bens essenciais de primeira necessidade, do confinamento e da grande crise económica mundial, a Igreja e o Estado angolano (Ministério da Saúde) formam mais de 40 facilitadores voluntários, dentre jovens, líderes comunitários e tradicionais, leigos, pastores e professores da Faculdade de Teologia do Quéssua, sobre a matéria de prevenção para servirem à populações mais vulneráveis durante a pandemia de COVID-19.

“Queremos trabalhar juntos num projecto humanitário e social que através da prevenção, se pretende preservar a vida, como também melhorar a qualidade da saúde entre as populações mais vulneráveis,” disse o Rev. Dr. Leonardo Garcia Salgado, um dos formadores do programa.

O trabalho social continua a ser uns dos sinais distintos da Igreja Metodista Unida, e para este trabalho baseou-se no livro de Jeremias 33:6: Eis que eu trarei a ela saúde e cura, e os sararei, e lhes manifestarei abundância de paz e de verdade.

“Para o cumprimento deste programa, estão aqui, a Igreja Metodista Unida, o gabinete provincial e municipal da saúde, membros da equipe de saúde e do Centro de saúde do Quéssua,” sublinhou Salgado.

“Este encontro, visava formar facilitadores voluntários com responsabilidade de promover a educação sanitária nas comunidades sobre prevenção da contaminação comunitária, ensinar as técnicas de higiene das mãos e a respiratória, exortar a população a cumprir com o distanciamento social, a limpeza e desinfecção no lar e o uso frequente de máscaras em locais públicos,” afirmou Chicosseno Salvador.
Equipe de voluntários preparados para entrarem em acção nas comunidades circunvizinhas de Quessua, Malanje. Foto de João Nhanga.
Equipe de voluntários preparados para entrarem em acção nas comunidades circunvizinhas de Quessua, Malanje. Foto de João Nhanga.
Até o dia 4 de agosto, Angola contava com 1.280 casos confirmados, sendo 746 activos, 476 recuperados e 58 mortos.

“O programa COVID-19 é uma iniciativa da Igreja,” disse Salvador.
 
“O Ministério da Saúde entra no projecto com seu efectivo, apenas para formar os voluntários, uma vez a Igreja sendo parceira do estado, dai que quando as actividades são relacionadas com a saúde, contamos sempre com a colaboração da comissão inter-ministerial na dianteira,” concluiu Salvador na entrevista.

“Agradecemos o programa COVID-19 que a Metodista Unida do Quéssua está a desenvolver,” disse Heinor Canda, representante do departamento de saúde e controle de endemia em Malanje. 

“Nós como parceiros da Igreja, estamos aqui para ajudar com aquilo que é possível. A Igreja tem ajudado muito o governo angolana na luta contra a COVID-19, particularmente aqui em Malanje,” explicou Canda.

Mais de 40 facilitadores voluntários, dentre jovens, líderes comunitários e tradicionais foram devidamente preparados para a grande missão.
 
Falando a nossa reportagem Francisco Caetano, um dos líderes comunitários da aldeia do Mufongo, disse “aprendemos que devemos usar bem as máscaras. A máscara deve cobrir o nariz, boca e o queixo. Aprendemos também que temos que lavar as mãos constantemente durante 30 ou 40 segundos.”
 
Em algumas zonas rurais ainda é um grande desafio o uso de máscaras. Paralelamente a esse facto, há algumas pessoas que, mesmo tendo a máscara, o seu uso continua sendo indevido.

À semelhança do surgimento do HIV-SIDA, onde muitas pessoas eram estigmatizadas, há rumores nas comunidades a volta daquelas pessoas padecendo da COVID-19, que estão sendo ostracizadas.

“Saimos daqui instruídos que não devemos desprezar ninguém que porventura mostre sintomas semelhantes aos da COVID-19, porque nem todo sintoma está relacionado com a doença,” disse Francisco Massango, representante da Aldeia da Manga.

Nhanga é o comunicador da Conferência de Leste de Angola das Notícias Metodista Unida. Contacto com a imprensa: Rev. Gustavo Vasquez, editor de notícias, em newsdesk@umcom.org Para ler mais notícias da Metodista Unida, inscreva-se nos resumos quinzenais gratuitos.
Igreja Local
Os membros da Igreja Metodista Unida de St. Paul em Lakeland, Tennessee, encenam a Natividade em 2020. A igreja planeja realizar seu culto de véspera de Natal na frente do estábulo e da manjedoura este ano. As igrejas continuam a ser criativas para encontrar maneiras de celebrar o nascimento de Cristo e manter as pessoas seguras durante o segundo ano da pandemia COVID-19. Foto cortesia da Igreja Metodista Unida de St. Paul.

Revivendo a alegria do Natal em tempos difíceis

Neste segundo ano de pandemia, as igrejas Metodistas Unidas estão a tornar-se criativas para ajudar as pessoas a experienciar o nascimento de Cristo e a pura luz do seu amor.
Missão
A Revda. Ruth Marsh (à direita) conforta Angi Rogers, uma hóspede do abrigo diurno na Igreja Metodista Unida Trinity em Idaho Falls, Idaho. Rogers não estava se sentindo bem e Marsh a acomodou em uma sala de aula da escola dominical para descansar um pouco. “Todos aqui cuidam de mim e uns dos outros”, disse Rogers. Foto de Mike DuBose, Notícias MU.

Igrejas veem muitas necessidades neste Advento

Muitas congregações e organizações sem fins lucrativos nos EUA estão intensificando seus esforços para ajudar as pessoas de baixa renda afetadas pela inflação e pela escassez de moradias populares.
Agências gerais
Em sua reunião de outono de 2021, o conselho do Conselho Geral de Finanças e Administração fez mais cortes no título do orçamento denominacional proposto para a próxima Conferência Geral. Diante da pandemia e da esperada divisão denominacional, o conselho propõe cortar o orçamento em cerca de um terço a partir de 2023. Foto de Mikern, cortesia de Pixabay.

Saídas de igrejas e COVID levam a grandes cortes no orçamento

Os líderes financeiros da Metodista Unida estão tentando estimar o que uma divisão da igreja proposta e uma pandemia contínua significam para os resultados financeiros da denominação.