Mulheres da Malanga 2 distribuem comida, máscaras, produtos de higiene

Translate Page

O tecido social da população moçambicana é frágil devido a actual conjuntura do país, caracterizada por conflitos armados no norte e no centro do território, assim como por calamidades naturais que assolam o país, e muito recentemente pela eclosão da COVID-19.

Cientes desta situação, a comunidade Metodista da Malanga 2, sob liderança das Mulheres, predispôs-se a ajudar com a provisão de uma cesta básica, máscaras, sabão e outros materiais de higiene à famílias e comunidades carenciadas nos arredores da cidade e província do Maputo.

As Irmãs Arlanza Dias (na foto) e irmã Zauria Saifodine foram as pioneiras da confecção das máscaras. Matola, foto de Meriamo Malate.
As Irmãs Arlanza Dias (na foto) e irmã Zauria Saifodine foram as pioneiras da confecção das máscaras. Matola, foto de Meriamo Malate.
"Foi na noite de 22 de Abril, que a nossa irmã Graciete Taiela, partilhou o assunto de produção, doação e venda de máscaras, na plataforma do WhatsApp das Mulheres Metodistas Unidas da Malanga 2," disse Meriamo Malate presidente das Mulheres daquele Cargo Pastoral.

"O assunto mereceu apreciação positiva das membros, tendo estas sugerido que, elas mesmas podiam doar suas capulanas e dinheiro para a compra de materiais tais como: entretelas, elásticos e linha para a confecção de máscaras. Na organização temos a bênção de ter mulheres que conhecem as técnicas de corte e costura, daí que o projecto teve pés para andar," explicou Malate.

As Mulheres Metodistas Unidas, são um grupo de pessoas com projectos assistenciais que tem ajudado muita gente dentro e fora da igreja.

Falando do projecto da produção de máscaras, Graciete Taiela, membro da organização e vice-guia leigos do Cargo Pastoral explicou que, "a ideia de confecção de máscaras nasceu de maneira tímida, inspirada na fé e boas obras da Dorcas (Tabita), que era mais fazedora e não faladora, dada a sua generosidade e apoio aos necessitados (Actos 9:36-42."

"Depois de autorização pelo Ministério da Saúde, começamos a produzir máscaras caseiras, respeitando todas as exigências técnicas e protocolares da Organização Mundial da Saúde (OMS) e em pouco tempo mulheres voluntárias lideradas pela presidente Meriamo, começaram com o projecto," disse Taiela.

A produção voluntária de máscaras, teve lugar nas casas dos membros da organização.

“Algumas voluntárias são: Zauria Saifodine, Arlanza Sabino, Marta Banze, Serra Seis, Beatriz Langa e Elisa Tesoura,” explicou Taiela.

“A vontade de ajudar outras pessoas, impulsionou-me a oferecer o meu tempo e habilidades em costura,” afirmou Zauria Saifodine, uma das costureiras e membro da organização.

“Pus assim em prática as habilidades aprendidas na Escola Secundária. Eu e a irmã Arlanza Sabino, produzimos cerca de 300 máscaras, que acreditamos estarem ajudando a muitas pessoas que não têm meios financeiros para a compra de máscara,” concluiu Saifodine.

Várias famílias, comunidades e centros de acolhimento beneficiaram-se das máscaras que iam acompanhadas de produtos alimentícios, de higiene e limpeza.

"Os centros beneficiados até então são de Beluluane, INAS de Juba, Jonasse, Bela-Vista, Ka Tembe, Chamanculo, Changalane, Massaca e Salamanga, onde nos últimos 3 locais distribuímos farinha de milho, açúcar e amendoim," explicou Malate.

"Agradecemos a Igreja Metodista Unida e particularmente estas mulheres que lembraram-se de nós. Lembram-se de nós em orações e agora estão visitando-nos e não de mãos vazias. Muito obrigada igreja," agradeceu a vovó Gilda Mulhule, uma das beneficiárias, após receber os alimentos em Salamanga.
Voluntários da Malanga 2 na organização dos bens alimentícios que seriam distribuídos pelas comunidades carentes. Malanga, foto de João Sambo.
Voluntários da Malanga 2 na organização dos bens alimentícios que seriam distribuídos pelas comunidades carentes. Malanga, foto de João Sambo.
O projecto de máscaras continua e neste momento já produziu e distribuiu mais de 1.200 máscaras.

"A produção de máscaras caseiras sai em conta," segundo contou Taiela. "Estas, são passíveis de reutilização após higienização adequada, para além da durabilidade que oferecem quando comparadas às cirúrgicas."
 
Questionada sobre o que lhes move a prestarem tal tipo de apoio, a nossa interlocutora explicou: "queremos responder a pergunta: o que é que o povo vê nas Mulheres da Malanga 2? – e como resposta a isso, que o povo veja o amor de Cristo, veja a palavra de amor e de esperança traduzidas em obras e partilhada na sociedade," terminou Taiela.

“Eu sou costureira de profissão e em 20 minutos consigo medir, cortar e coser uma máscara e, neste projecto, já fiz cerca de 500 máscaras,” disse Marta Siquice Banze, membro da organização das Mulheres da Malanga 2.

Senhora Marta Banze, uma das costureiras voluntária das Mulheres da Malanga 2. Matola, foto de Suneila Moamba.
Senhora Marta Banze, uma das costureiras voluntária das Mulheres da Malanga 2. Matola, foto de Suneila Moamba.
A senhora Banze tem um atelier na sua residência e tem ajudado muito as pessoas neste momento de pandemia cosendo máscaras para elas.

“Abracei a causa, porque ela é justa e humanamente excelente,” concluiu Banze.

Por conta desta pandemia, já há muitas bolsas de fome e o Cargo Pastoral da Malanga 2 tem respondido à solicitações nalgumas comunidades, sendo de destacar: Changalane, Massaca e Salamanga na província do Maputo.

"Nesta fase, já distribuímos mais de meia tonelada de alimento diversos. Como as doações são voluntárias, nos é difícil no momento quantificar financeiramente o que já contribuiu-se em apoio aos irmãos e irmãs necessitados," concluiu Malate.

Sambo é o correspondente lusófono em África das Notícias Metodista Unida.

Contacto com a imprensa: Revo. Gustavo Vasquez, editora de notícias, newsdesk@umcom.org. Para ler mais notícias da Metodista Unida, inscreva-se nos resumos quinzenais gratuitos.
Igreja Local
Arlindo Jossias Sambo (pregando para a comunidade de Ninga) e Celine Miguel, a tradutora. Foto de Michaque Ali.

Moçambique Norte: novas comunidades Metodistas Unidas são plantadas

Os grandes desafios que enfrentam, relacionados com os desastres naturais, conflitos armados, a pobreza absoluta e ultimamente a pandemia da COVID-19, não tem conseguido apagar o fogo do evangelho.
Igreja Local
Os membros da Igreja Metodista Unida de St. Paul em Lakeland, Tennessee, encenam a Natividade em 2020. A igreja planeja realizar seu culto de véspera de Natal na frente do estábulo e da manjedoura este ano. As igrejas continuam a ser criativas para encontrar maneiras de celebrar o nascimento de Cristo e manter as pessoas seguras durante o segundo ano da pandemia COVID-19. Foto cortesia da Igreja Metodista Unida de St. Paul.

Revivendo a alegria do Natal em tempos difíceis

Neste segundo ano de pandemia, as igrejas Metodistas Unidas estão a tornar-se criativas para ajudar as pessoas a experienciar o nascimento de Cristo e a pura luz do seu amor.
Missão
A Revda. Ruth Marsh (à direita) conforta Angi Rogers, uma hóspede do abrigo diurno na Igreja Metodista Unida Trinity em Idaho Falls, Idaho. Rogers não estava se sentindo bem e Marsh a acomodou em uma sala de aula da escola dominical para descansar um pouco. “Todos aqui cuidam de mim e uns dos outros”, disse Rogers. Foto de Mike DuBose, Notícias MU.

Igrejas veem muitas necessidades neste Advento

Muitas congregações e organizações sem fins lucrativos nos EUA estão intensificando seus esforços para ajudar as pessoas de baixa renda afetadas pela inflação e pela escassez de moradias populares.