Escravidão e os fundadores do Metodismo

Translate Page
The Rev. William B. Lawrence.  Photo by H. Jackson/Southern Methodist University.

O Rev. William B. Lawrence. Foto por H. Jackson / Southern Methodist University.

Embora várias denominações metodistas sejam instituições globais, várias delas começaram na América do Norte. As raízes da Igreja Metodista Episcopal Africana, da Igreja Metodista Episcopal Zion Africana e da Igreja Metodista Unida podem ser rastreadas até o período durante - ou antes - da fundação dos Estados Unidos da América. 

Contar as histórias dessas denominações requer colocá-las no contexto da história da nação. E sempre que a história do país é complexa, as complexidades envolvem também a igreja.

Recentemente, o senador dos EUA Thomas Cotton - que também é Metodista Unido - criou uma complicação com a legislação que apresentou ao Senado. Cotton não está satisfeito com a pesquisa e a redação que começaram quando o The New York Times lançou seu "Projeto 1619". 

Esse projeto foi uma tentativa de descobrir e publicar informações sobre uma parte negligenciada da história da América, começando quando um navio chamado White Lion chegou a um porto na Virgínia com uma carga de cerca de duas dezenas de escravos em 20 de agosto de 1619. Foi o primeiro navio em uma empresa contínua de comércio de escravos que durou nos Estados Unidos por cerca de 240 anos. 

O senador Cotton acredita que o “Projeto 1619” contém uma série de erros. Sua proposta de legislação removeria o financiamento federal de qualquer escola que use o “Projeto 1619” como um recurso no ensino de história americana. Em entrevista sobre a proposta legislativa, ele disse que os fundadores dos Estados Unidos consideravam a escravidão um “mal necessário”.

Se algum dos fundadores do país realmente usou essa frase, exigirá mais pesquisas. Mas é claro que muitos dos fundadores eram donos de escravos. Na verdade, entre os primeiros 12 presidentes dos EUA - de George Washington, que assumiu o cargo em 1789, a Zachary Taylor, que morreu no cargo em 1850 - apenas John Adams e seu filho, John Quincy Adams, não possuíam escravos.

Comentários

Notícias MU publica vários comentários sobre questões na denominação. Os artigos de opinião refletem uma variedade de pontos de vista e são as opiniões dos redatores, não da equipe da Notícias MU.

Então, nesse contexto, o que os fundadores do Metodismo na América disseram sobre a escravidão de africanos que eram acorrentados a bordo de navios, trazidos como carga para as costas americanas, vendidos como mercadoria nos mercados americanos e tratados como pedaços de propriedade para serem usados ou abusado como seus proprietários escolheram?   

Em 1774, John Wesley publicou seu "Pensamentos sobre a escravidão". O fundador do movimento metodista insistiu que o conceito de escravizar outras pessoas era baseado em "fundamentos falsos". Ele descreveu os horríveis males do comércio de escravos, começando com as maneiras como os europeus motivaram alguns africanos a capturar pessoas e vendê-las como escravos, e abordou os abusos a que os escravos eram sujeitos.

Ele negou que fosse aceitável que alguém fosse dispensado do julgamento sob o fundamento de que não era pessoalmente dono de escravos. Para Wesley, apenas tolerar a existência de um sistema de escravidão era uma acomodação com o mal.

Em 1780, os metodistas americanos exigiam que os pregadores pregassem sermões contra os males da escravidão. Depois disso, os metodistas na Carolina do Norte e na Virgínia adotaram declarações antiescravistas e insistiram que os metodistas deveriam libertar todos os escravos de sua propriedade. Os líderes da Igreja declararam que a escravidão de outras pessoas é "contrária às leis de Deus".  

Em 1785, o primeiro Livro de Disciplina publicado pelos Metodistas incluía uma parte da legislação da igreja que qualquer membro da igreja que comprar ou vender escravos deve "ser imediatamente expulso" da membresia, "a menos que os compre com o propósito de libertá-los."

Em 1800, a Conferência Geral emitiu uma “Carta Pastoral sobre a Escravidão”, assinada pelos três bispos da igreja na época (Coke, Asbury e Whatcoat). Declarou a escravidão do povo negro “o grande mal nacional” dos Estados Unidos. Dizia que "todo o espírito do Novo Testamento milita da maneira mais forte contra a prática da escravidão". 

Assine a nossa nova newsletter eletrônica em espanhol e português UMCOMtigo

Assine a nossa nova newsletter eletrônica em espanhol e português UMCOMtigo
Você gosta do que está lendo e quer ver mais? Inscreva-se para receber nosso novo boletim eletrônico da UMCOMtigo, um resumo semanal em espanhol e português, com notícias, recursos e eventos importantes na vida da Igreja Metodista Unida

¡FIQUE INFORMADO!

Essa carta pastoral orientava as conferências anuais a apelar para as legislaturas em seus respectivos estados pela emancipação dos escravos, e exigia "a extirpação universal deste pecado clamoroso".

Portanto, a história documentada do Metodismo deixa claro que os fundadores da igreja consideravam a escravidão um "mal". Nada nos documentos indica que eles sentiram que a escravidão era em algum sentido "necessária". Esses documentos também deixam claro que os líderes da igreja esperavam que os pregadores metodistas e as pessoas agissem - no púlpito e em público - para remover os sistemas de escravidão da América. Os pregadores deveriam proclamar que a escravidão é má. As pessoas deveriam fazer lobby em suas legislaturas para acabar com a escravidão. 

Nos anos seguintes, no entanto, essa dedicação ao antiescravismo enfraqueceu. A igreja encontrou maneiras de desonrar seus fundadores e ignorar o sofrimento dos escravos. 

Quarenta e quatro anos depois que a Conferência Geral promulgou leis da igreja para exigir que os metodistas libertassem seus escravos ou deixassem a igreja e insistir que os metodistas adotassem medidas públicas anti-escravidão, a denominação decidiu se dividir. Em vez de exigir que um bispo proprietário de escravos emancipasse o povo que ele considerava sua propriedade, os metodistas se dividiram em duas denominações. Em vez de se mobilizar politicamente para acabar com o sistema de escravidão em cada estado, os metodistas se dividiram ao longo das fronteiras dos estados que afirmavam a escravidão. 

Cotton insiste que não considera pessoalmente a escravidão como um “mal necessário”, mas acredita que os fundadores do país se sentiram assim. Enquanto o debate sobre a história nacional continua, é importante para todos os Metodistas com raízes rastreáveis na América do Norte reconhecer que os fundadores do Metodismo se opunham à escravidão, tomaram ações anti-escravidão e exortaram os ministros e o povo das igrejas Metodistas a se tornarem públicos ativistas em um esforço para acabar com a escravidão de seres humanos. 

 

* Lawrence é um ancião ordenado da Igreja Metodista Unida, ex-reitor da Escola de Teologia Perkins na Universidade Metodista do Sul e ex-presidente do Conselho Judicial.

**Sara de Paula é tradutora independente. Para contatá-la, escreva para IMU_Hispana-Latina@umcom.org. Para ler mais notícias da Metodista Unida, assine os resumos quinzenais gratuitos.

 

Preocupações Sociais
Pastor Stephen Mannion. Foto cortesia do autor.

5 teses para a Igreja Metodista Unida

Os problemas profundamente enraizados que assolam a denominação não serão resolvidos pela legislação, mas pelo arrependimento e um retorno à obediência radical às Escrituras, diz um pastor Metodista Unido.
Conselho de Bispos
A Bispa Cynthia Fierro Harvey faz o discurso presidencial durante a reunião online de outono do Conselho dos Bispos da denominação. Ela disse a outros bispos e outras pessoas que assistiam online, que vislumbra uma futura Igreja Metodista Unida onde todos tenham um lar. Captura de tela do Notícias MU via Zoom.

Bispos exortam a abraçar 'forma mais amorosa'

À medida que as expectativas sobre os planos de separação denominacionais aumentam, o bispado começa a sua reunião de outono focada em continuar a Igreja Metodista Unida e trabalhar contra o racismo.
Evangelismo
O Rev. Taurai Emmanuel Maforo. Foto de Mutsa Roy Maforo.

A igreja virtual é o novo paradigma do ministério

A mudança de reuniões cara a cara para uma “igreja sem paredes” era considerada impensável apenas alguns anos atrás, mas os fechamentos desencadeados pela pandemia COVID-19 aceleraram a prática do ministério online.